Importância Da Soldagem

A Soldagem é o processamento de casamento de materiais ( especialmente os metais) mais fundamental do ponto de ideia industrial sendo extensivamente usada na construção e recuperação de peças, equipamentos e estruturas.

Outro conceito bastante empregado: é a cirurgia que visa a casamento de duas ou mais peças, assegurando na corporação, a conservação das características físicas e químicas do material. Há um grande algarismo de processos de soldagem distintos, sendo essencial a compilação do processamento ( ou processos) apropriado para uma conhecida aplicação.

A soldagem não acontece tão fácil uma vez que a afinidade das superfícies a distâncias suficientes para a obra de ligações químicas entre os seus átomos é dificultada pela rugosidade microscópica e camadas de barita, umidade, gordura, sujidade e mais contaminantes existentes em toda superfície metálica.

Usos:

A sua aplicação atinge a partir de pequenos componentes eletrônicos até grandes estruturas e equipamentos (pontes, navios, vasos de pressão, etc.). Nos dias de hoje a soldagem é usada similarmente em plásticos e vidros. É bastante usada em muitas áreas: construção naval, civil, ferroviária, indústria aeronáutica, automobilística e indústria metalúrgica.

Histórico

De acordo com pesquisas, há quase 2 mil anos, a soldagem por forjamento foi descoberta. No século XIX, surgiu a soldagem por argola ativo e no século XX a soldagem TIG, MIG, MAG, entre outras. Nos dias de hoje há cerca de 50 processos usados industrialmente.


A indústria automobilística impulsionou o aumento da tecnologia de soldagem no século XX. Este processamento de construção permitiu a diminuição de peso do chassi e a diminuição nos custos de produção do veículo.

Benefícios e desvantagens


Juntas de honra e eficiência elevadas2. Grande diversidade de processos3. Admissível a vários materiais 4. Cirurgia manual ou automática 5. Pode ser altamente maneiro 6. Juntas completamente estanques (ao contrário da rebitagem)7. Esforço, em maior parte, ajuizado 8. Corporação não apresenta complicações de redução de nó 9. Montagens de um único lado de acesso (ao contrário do aparafusamento)10. Suporta esforços no próprio plano (ao contrário da rebitagem)


Apresentam formulações numerosas e variadas3. Exigem controle, produção e testes complexos 4. Apenas testes destrutivos 5. Exigem mão-de-obra altamente capacitada 6. Ás vezes são importantes processos de cura ( fornalha ) 7. Exigem higienização minuciosa 8. Exigem disposição das superfícies a serem unid

Conceitos essenciais

Material de Acrescentamento: É o material que será utilizado como enchimento no processamento de soldagem, capaz de exercer as folgas entre as superfícies a juntar. O material remuneração extraordinária é de mesma classe das partes e será utilizado para certificar-se a conservação de características no caso da soldagem por liga, de chapas ou peças respeitante a espessas. Ele preencherá a abastança entre as superfícies.

Recomendação


Soldagem: é o processamento pelo qual se pode a casamento.
Soldadura: é a brega de casamento no qual houve solubilização.
Eletrodo: sua essencial ofício é acarretar a corrente elétrica até o argola.


Poça de liga: é a região em que o material a ser colado está no estado líquido.

Métodos físicos

A porção de calor adicionada a um material, por elemento de comprimento simples, é tragada de força de soldagem ou achega térmico (representada pelas letras E ou H cuja elemento genérico é em kJ/mm, kJ/cm ou kJ/cm).


Para a soldagem a argola ativo, o valor de E em Chocarreiro /mm é adquirido pela fórmula:

no qual η é a eficiência de mudança ;
Cousa é a preocupação em Volts ( Cousa );
I é a corrente elétrica em Ampéres (A);
cousa é a rapidez simples de soldagem em mm/s.

Processos de grande força são aqueles processos no qual grande porção de calor é adicionada, por causa de frequentemente a altas tensões e correntes, por exemplo, na soldagem a argola submerso.

Medida dos processos

A soldagem pode ser dividida em 2 grandes categorias de coisa:

Soldagem por liga ;
Soldagem por pressão ( defeito ).

A força é aplicada para realizar calor capaz de fundir o material de base. Diz-se neste caso que a solubilização acontece na ciclo líquida que caracteriza o processamento de soldagem por liga. Dessa maneira, na liga, a soldagem é obtida pela solubilização na ciclo líquida das partes a juntar, e subsequentemente, da solubilização da ligamento.

Soldagem por pressão ( ou defeito )

A força é aplicada para provocar uma preocupação no material de base, capaz de realizar a solubilização na ciclo sólida, caracterizando a soldagem por pressão.

Principais processos de soldagem por Liga

Soldagem à chama: A liga origina-se do calor originado pela queima de um animação, com o material de acrescentamento introduzido separadamente. É nos dias de hoje o processamento mais rudimentar de soldagem.

Soldagem Oxi-Gás: envolve a liga do metal de base e geralmente de um metal de enchimento, usando uma chama criada na ponta de um maçarico. O animação combustível e o gás são combinados em proporções adequadas dentro de uma quarto de combinação. O metal fundido e o metal de enchimento, se utilizado, se misturam numa poça comum e se solidificam ao se resfriar.

Neste processamento, o soldador possui controle sobre o calor e a temperatura. É bastante utilizado em coisa de cotejo, peças finas e tubos de irrelevante diâmetro. O equipamento empregado na soldagem oxi-gás é geralmente maneiro, veloz e de esforço baixo. O acetileno é o animação mais utilizado nesse processamento, devido a sua alta tarifa de proliferação de chama e alta temperatura.


Usos: os materiais fundidos por oxi-gás são ferro-fundido, chumbo, alumínio, ligas de zinco, aços, aço galvanizado, latão, e dureza, dependendo da chama usada. O equipamento empregado para soldadura oxi-gás é demonstrado na figurante:

Soldagem oxi-acetilênica com metal de adiçãoRegulagem da chama no maçarico


Soldagem elétrica a argola voltaico: A liga origina-se da atuação direta e localizada de um argola voltaico.

Benefícios: o argola permite conquistar elevadas temperaturas num irrelevante lugar, limitando a brega de influência calorífica. Permite o utilização de qualquer atmosfera gasosa, que no momento em que neutra, proporciona menor contaminação do banho metálico.

Origens e evolução: o argola voltaico dado à soldagem foi introduzido por N. R. Bernardos em 1887. O princípio era um argola voltaico entre um eletrodo de hulha e a canhão. Fundia-se o material da brega a juntar sem utilizar o eletrodo. O material de acrescentamento era introduzido separadamente.

Em 1889, Zerener introduziu no processamento um de acordo com eletrodo, fazendo o argola entre os 2 eletrodos, sendo que a corrente não mais percorria a canhão, permitindo, então a soldagem de materiais não condutores.

O processamento de Slavianoff, de 1892 introduziu a conexão elétrica na própria vareta do material de acrescentamento, tornando o eletrodo consumível. Em 1905 Kjellberg criou o eletrodo calçado, que permitiu inserir substâncias, para realizar efeitos especiais na soldadura. A evolução pospositivo levou ao utilização do argola coberto, a princípio com hidrogênio, e sucessivamente com gases neutros.

Pouco tempo em seguida surgiu a soldadura com argola coberto a hidrogênio. Esse processamento, chamado de soldagem com “hidrogênio atômico” ou soldagem “arcatômica”, utilizava um argola voltaico em atmosfera de hidrogênio, entre 2 eletrodos permanentes de tungstênio.

O hidrogênio se dissocia no argola ativo, passando para o estado atômico com absorvimento de força. Em contato com o metal de soldadura ou com as peças a juntar, mais frios, o hidrogênio volta ao estado molecular, liberando calor e aumentando o capacidade térmico do processamento. A chama criada pela queima do hidrogênio similarmente contribuía para o capacidade térmico.

A fonte de força era um transformador sui generis para realizar a alta preocupação para arrebatar o argola ( acima de 70 volts), porém sem ameaça para o soldador. O processamento caiu em desuso no momento em que gases neutros passaram a ser usados com atmosfera de soldagem.

Processos atuais de soldagem a argola voltaico

Eletrodo calçado: Os ingredientes que formam o blindagem são triturados, dosados e misturados até a consumo de uma massa homogênea. A massa é conformada sobre as varetas metálicas, com comprimentos padrão a começar por 300 mm. Posteriormente o blindagem de uma das extremidades é removido para deixar o contato ativo com o porta-eletrodo.

O eletrodo pode ter polaridade repulsa ou boa dependendo da astúcia desejada. A tomada de corrente, então é feita numa beira, e o argola arde na outra. A escolha dos ingredientes do blindagem determina o resultado esperado, como eletrodos básicos, ácidos, etc.

A escória é afastamento pela picadeira ( um tipo de martelo ) e em seguida uma escova de fios de aço aberta o cordão de soldadura.

Soldagem TIG


Qualidades Gerais: TIG – abreviação oriundo do inglês Tungsten Inert Gas (no alemão denomina-se WIG, sendo o W o espelho químico do tungstênio= wolfrâmio) – é a título conhecida ao processamento de soldagem que utiliza eletrodos de tungstênio em atmosfera de animação preguiçoso.

O processamento pode ser subordinado com e sem metal de acrescentamento. A proteção da região da poça de liga é feita por gases inertes como Hélio, Argônio ou combinação de os dois (dependendo do metal a ser colado ).
Eletrodos: ainda que chamados de permanentes, os eletrodos de tungstênio são consumíveis. Em condições normais, os eletrodos mais comuns (150 mm e 170mm) duram cerca de 30 horas de argola aberto.


Nível de automatização: Na maior parte dos casos o processamento é manual. Uma das mãos conduz a lampadário e a outra conduz a vareta do material de acrescentamento, como no processamento de soldagem oxi-acetilênica. O processamento similarmente pode ser semi-automático ou completamente automático, ainda que estas opções não sejam comuns.

Dica de soldagem SMD e a importância de uma boa malha dessoldadora

Recomendação: a soldagem TIG automática há em duas versões: sem metal de acrescentamento e com metal de acrescentamento. Ambas as versões aplicam-se para construção em série, no caso de chapas finas de ligas leves, inoxidáveis, alguns aços comuns ou ligas. A soldadura possui um belo fachada, com ótimo consistência de astúcia e alta produtividade. É indicada para grandes séries no qual sejam exigidos: trabalho higienizado, esmero e definição de produção. Usos: O processamento TIG é especificamente recomendado para alumínio, magnésio e suas respectivas ligas, aço puro e para metais especiais como titânio e molibdênio.

É similarmente empregado para aços comuns e relacionados capa para espessuras pequenas e médias. Com a uso de metal de acrescentamento pode-se soldar chapas espessas, especialmente em ligas leves e aços inoxidáveis. Custos: os materiais de uso ( animação preguiçoso e eletrodo de tungstênio) são respeitante a caros. A mão de bem-feito empregada precisa ter ótima formação. Informações: o processamento TIG é utilizado para aços comuns e especiais, especialmente para pequenas espessuras ( mais baixos que 2 ou 3 mm) no qual é possível conquistar melhor fachada da soldadura e mais baixos deformações nas peças.

É o essencial processamento no momento em que se trata de ligas leves e metais especiais ( por exemplo, quadros de bicicletas e indústria aeroespacial). O TIG é considerado impreterível no momento em que se trata de conquistar bom fachada da corporação combinado com baixas tensões internas e pequenas deformações no aço puro.

Soldagem Plasma


Qualidades: Ainda que o argola voltaico seja um plasma, apenas um dos processos recebe o nome de soldagem plasma. A particularidade que levou a esta designação é o feito que o calor chega até a canhão sem a durabilidade de um argola ligado a ela. O argola existente é prescrito dentro de uma lampadário, entre um eletrodo de tungstênio e um bocal.

FONTE: https://www.americanas.com.br/categoria/casa-e-construcao/ferramentas/solda/maquina-de-solda

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *